sexta-feira, 30 de agosto de 2013

Resenha: Não faz sentido - Felipe Neto

Faz tempo que não posto nada aqui. Mas desde que comprei o livro “Felipe Neto – Não faz sentido”, me deu muita vontade de expor a opinião que tive sobre ele.


Confesso que nunca fui muito fã do Felipe Neto. Talvez pelo fato de seus vídeos serem recheados de palavrões (sim, sou careta e me incomodo quando a pessoa fala MUITOS palavrões), ou talvez, pelo fato de ser “um cara jovem, inocente, pimpão que só sabe falar mal dos outros” - como ele mesmo descreveu em seu livro.
Não via muita graça em seus vídeos e achei muito chato sua participação no Esporte Espetacular. Mesmo que todos ao meu redor falassem dele (mentira, nem era todos... Na verdade eram 3 ou 4 só).

Ao mesmo tempo, em dois dos seus vídeos (Crepúsculo e 50 Tons de Cinza), ele falava praticamente o que eu pensava sobre o assunto. Inclusive, consegui convencer uma amiga a NÃO perder tempo lendo os 50 Tons, com seu vídeo.

E por isso, ficava com a ideia de que ele deveria ser um chato e “seachão”.

No entanto, há um mês, mais ou menos, estava na casa de uns amigos e acabei assistindo “A Toca” (a série / curta / episódio ?) produzida para mostrar o dia a dia dos bastidores da Parafernalha. E neste dia minha opinião sobre ele começou a mudar.

Fiquei sabendo que ele havia lançado um livro e no mesmo dia comprei.

Confesso que achei que leria mais rápido. Não que seja chato... Mas, a cada capítulo fui parando para assistir os vídeos (sensacional a ideia de colocar os QrCodes no final de cada capítulo). No fim, acabei assistindo TODOS, inclusive os poucos que havia visto e as campanhas publicitárias.

Gostei do livro, pois mesmo sem o conhecer, com as referências que tive dele no “Não Faz Sentido” e em “A Toca”, em toda a leitura conseguia imaginar ele falando. Pois, a narração foi totalmente ele, sem edições muito formais da escrita, com linguagem bem despojada e até com palavrões. Também foi muito engraçado, em vários momentos.

Acabei percebendo que fui uma das pessoas que não conseguia separar a pessoa Felipe Neto, do personagem criado para o Não Faz Sentido.

Ao saber que ele pesquisava muito antes de gravar seus vídeos, o deixou com muito mais credibilidade (a meu ver, claro). Acabei fazendo o que ele diz em um de seus vídeos, que é julgar sem conhecer. Mas fazer o que, “todo mundo tem um preconceito”.

Em alguns momentos acabei me identificando com ele, principalmente por concordar que a preguiça e o medo estão impedindo as pessoas de colocar seus sonhos em prática.

Mas enfim... Seu livro se resume na sua trajetória, desde o surgimento da ideia de ter um canal o youtube, seus medos, anseios, depressão, polêmicas com “Colírios da Capricho” e o Fiuk, propostas, até a criação do Parafernalha e da Paramaker.

Vale a leitura para quem é fã dele, para quem é fã do youtube, para quem quer ter outra visão do Felipe Neto, para quem tem curiosidade e para quem não tem mais nada para ler, hehe.

Apesar de ter mudado um pouco a visão que eu tinha dele como pessoa, em vários momentos do livro pude constatar que de fato, ele é um pouco “seachão”, hahaha.

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Luto por SM

As palavras mais bonitas que li sobre o incêndio em Santa Maria neste domingo, foi do Fabrício Carpinejar. Acredito que ele tenha traduzido os sentimentos de muitas pessoas, principalmente as que perderam alguém.

A MAIOR TRAGÉDIA DE NOSSAS VIDAS
Morri em Santa Maria hoje. Quem não morreu? Morri na Rua dos Andradas, 1925. Numa ladeira encrespada de fumaça. 
A fumaça nunca foi tão negra no Rio Grande do Sul. Nunca uma nuvem foi tão nefasta.
Nem as tempestades mais mórbidas e elétricas desejam sua companhia. Seguirá sozinha, avulsa, página arrancada de um mapa.
A fumaça corrompeu o céu para sempre. O azul é cinza, anoitecemos em 27 de janeiro de 2013.
As chamas se acalmaram às 5h30, mas a morte nunca mais será controlada.
Morri porque tenho uma filha adolescente que demora a voltar para casa.
Morri porque já entrei em uma boate pensando como sairia dali em caso de incêndio.
Morri porque prefiro ficar perto do palco para ouvir melhor a banda.
Morri porque já confundi a porta de banheiro com a de emergência.
Morri porque jamais o fogo pede desculpas quando passa.
Morri porque já fui de algum jeito todos que morreram.
Morri sufocado de tanta morte; como acordar de novo?
O prédio não aterrissou de manhã, como um avião desgovernado na pista.
A saída era uma só e o medo vinha de todos os lados.
Os adolescentes não vão acordar na hora do almoço. Não vão se lembrar de nada. Ou entender como se distanciaram de repente do futuro.
Mais de duzentos e cinquenta jovens sem o último beijo da mãe, do pai, dos irmãos.
Os telefones ainda tocam no peito das vítimas estendidas no Ginásio Municipal.
As famílias ainda procuram suas crianças. As crianças universitárias estão eternamente no silencioso.
Ninguém tem coragem de atender e avisar o que aconteceu.
As palavras perderam o sentido.

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

7.556 páginas

Como sempre, gosto de fazer uma lista dos livros que li no ano... 2012 não foi um ano muito produtivo para leitura devido ao número de atividades da faculdade. Mas mesmo assim, vou fazer a lista para não perder o costume :p

JANEIRO
Caninos Brancos - Jack London

O último Yeti – Alberto Melis

O Segredo do Lago Ness - Alberto Melis

A pérola do dragão - Alberto Melis

A magia do unicórnio - Alberto Melis

Qual o seu número? - Karyn Bosnak

FEVEREIRO
A Revolução dos Caranguejos - Carlos Heitor Cony

mãe judia, 1964  - moacyr scliar

Um voluntário da pátria  - Zuenir Ventura

A mancha - Luis Fernando Verissimo

MAIO
Darmapada  - Fernando Cacciatore de Garcia

Cultura da convergência - Henry Jenkins


JUNHO
Marketing Empreendedor - Org: Sérgio Moretti, Fernando César Lenzi, Fabrícia Durieux Zucco

O Encontro - Richard Paul Evans

Vira-Latas - Ediouro (Ed.)


AGOSTO
O Homem de Beijing  - Henning Mankell

Quando Ela Se Foi - Harlan Coben

Marley & Eu - John Grogan

Quebra de Confiança  - Harlan Coben


SETEMBRO
Nos Bastidores da Pixar - Jackson, Lynn; Capodagli, Bill

Nietzsche Para Estressados - Allan Percy

Meu amigo Michael  - Frank Cascio


OUTUBRO
Desperte o Milionário que há em você - Carlos Wizard Martins

Empreendedorismo - As Regras do Jogo - Business Week

O que é Comunicação - Juan E. Díaz Bordenave



DEZEMBRO
Marketing Social - Philip Kotler, Eduardo L. Roberto

Marketing Social - Luiz Claudio Zenone

Liderança - Business Week

Jogada Mortal – Harlan Coben

Desaparecido Para Sempre – Harlan Coben

Confie em mim – Harlan Coben

Cilada - Harlan Coben

Sem Deixar Rastros - Harlan Coben